Terça-feira, 29 de Maio de 2007

Divorcio – Separação I

 
Nos dias de hoje algo já faz parte do nosso quotidiano. Os casais já não são o que eram… O tempo mudou e a mulher já não é submissa, tem vontade própria, um emprego, e todo um enredo que a enriquece como pessoa, como mulher e que a faz sentir mais útil.
 
Mas o que será que aconteceu aos valores cultivados pelas famílias passadas, que não resistem hoje em dia? O que é que mantêm uma relação hoje em dia? Até que ponto o “povo de antigamente” era feliz com a vida que tinha, e nós não? Até que ponto nós nos tornamos insatisfeitos … será que somos cada vez mais exigentes nas relações afectivas sobretudo com a nossa cara-metade?
 
 
 
E eis aquele dia por que tanto esperas-te, o casamento, a família unida feliz e junta, certezas de uma vida a dois, e esperanças de uma vida melhor, feliz, numa constante construção e alimentação de tudo aquilo que se deseja para o casal, para a familia em construção.
 
Não está tudo falta algo… alguém que torne a casa mais alegre, os dias mais preenchidos, falta a “futura geração”, os filhos.
E em muitos dos casos são aqui que começam os problemas… o modo de educar os filhos, a dedicação que uma criança exige (que recai maioritariamente sobre a mãe), a mudança do corpo, a auto estima alterada, a falta de tempo que o casal passa a ter para eles mesmos… a falta de compreensão e dialogo que nesta altura são cruciais para ultrapassar os problemas… porque durante a vida aparecem muitos, e porque todos eles podem ser revelados a tempo de evitar o pior… basta dialogo, porque se houver sentimento o casamento sobrevive…
 
Por vezes o problema já é antigo… aqueles casais que namoram anos e anos, ou que arriscam num casamento como solução. O casamento não muda uma relação, ele e ela não serão melhores nem piores, quando muito, retarda o problema e as discussões são adiadas.
 
Há ainda (embora que hoje em dia seja menos provável ) aqueles casais que não se conhecem em pleno, e têm umas pequenas surpresas com comportamentos, ou situações inesperadas. Viver debaixo do mesmo tecto, trazer para debaixo dele os problemas do emprego, a realidade do dia a dia, o esforço do que cada um faz para tornar a vida melhor.
Viver em união, é mais complicado do que parece...
Continua...
publicado por My Way às 10:41
link do post | Quero comentar | favorito
20 comentários:
De Shadows in love a 29 de Maio de 2007 às 14:39
O maior problema hoje em dia é que de certa forma tudo é mais fácil, é fácil casar, é fácil separar, as pessoas não se preocupam em resolver os problemas limitam-se a adiar ou então a terminar se sequer tentar resolver... depois muitas pessoas hoje em dia não sabem o que é ser família , ou porque viveram sempre com medo dos pais, o medo do álcool , da violência e quando dizem que não querem mais isso são os primeiros a tomar esses caminhos... comunicar é algo fundamental, apoiar é sacramental, e amar é preciso...
De My Way a 29 de Maio de 2007 às 15:03
Ás vezes penso que é mesmo isso que está a acontecer, dá-mos menos valor à familia, será tudo uma questão de comodismo e/ou facilidade de casar/divorciar?

Para mim uma mesa cheia de pessoas a que eu chamo "familia" é o suficiente para me sentir realizada... mas penso que estes valores estão a mudar...

Fica bem.
De Lipstick Red a 29 de Maio de 2007 às 15:45
pode parecer rídiculo o que vou escrever...independentemente da religião de cada 1 faz.m confusão a "noite d natal" ser uma das mais requisitadas para as discotecas... com tts dias do ano pra curtir pk escolher akele k temos oportunidade da tar com kem realmente interessa........
De My Way a 29 de Maio de 2007 às 16:17
Andamos cada vez mais desligados daquilo que realmente tem valor, e daqueles que realmente nos dão valor... Estranho não?

Também não percebo o que procuramos nós...

Fica bem :)
De Lipstick Red a 29 de Maio de 2007 às 16:25
o desejo insaciável de explorar o que é novo.... os eternos descontentes...
como dizia Pessoa:
"O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis."
De My Way a 29 de Maio de 2007 às 17:07
A minha frase predilecta... acertas-te em cheio.

Fica bem
De Rafeiro Perfumado a 29 de Maio de 2007 às 18:10
Agora sim!

Em tempos escrevi sobre (parte d) este problema. Uma verdadeira relação só pode sobreviver se estiver assente na amizade. O dinheiro vai-se, a beleza desvanece, se não houver um fundo muito forte que ligue um casal (que poderá ou não ser os filhos), a vida corre o risco de se tornar oca, sem significado, cinzenta. E pelo que vemos por aí, infelizmente é o que acontece.
De My Way a 29 de Maio de 2007 às 18:24
Cada vez mais...que insatisfação esta que o mundo de hoje sofre...

Fica bem e cuidado com as janelas :)
De Dragão Azul a 30 de Maio de 2007 às 09:56
Ora aqui esta um tema excelente.... hoje em dia pensa-se mais no que é mais comodo e por vezes o mais comodo é procurar coisas novas, muita gente parte para o casamente para fugir do ambiente de casa. O problema começa sempre no namoro e muitas vezes sem nos apercebermos e quando damos por ela já o casamento esta consumado e quem sofre muitas das vezes são os filhos e não os pais. Eu acho que o estado também ajuda um bocado ao divorcio é mais facil e mais barato o divorcio do que o casamento, hoje casa-se num dia passado um mês já se esta divorciado, não percebo estas situações.
Parabens pelo tema.
De My Way a 30 de Maio de 2007 às 11:11
Este tema ainda vai dar muitas voltas...
Afinal a relação pode falhar por muitos motivos...

:)

Fica bem
De Pedro de Sousa a 30 de Maio de 2007 às 12:40
Ola

O que se pretendia do casamento é que fosse como os carris do comboio... sempre paralelos... se se unirem demasiado, ou se se afastarem demasiado descarrilam...

Namoramos, crescemos juntos, casamos...
Pensamos que temos uma vida paralela...

Mas à medida que a vida continua, uma pequena diferença torna-se uma grande diferença... não há (nem nunca houve) paralelelismo... a diferença torna-se visivel e insuportável... o casamento descarrila

É a vida... eu não sou o mesmo homem de ha vinte anos... ela tambem não... eu casei com a mulher de ha vinte anos, não com esta. ela casou com o homem de ha vinte anos, não com este...

De certo modo ambos mudamos, estamos diferentes, pensamos de modo diferente, as diferenças acentuam-se...

O casamento acaba? é natural. afinal, nada é eterno

Beijinhos
Mikerinos
De My Way a 30 de Maio de 2007 às 15:07
As pessoas vão mudando, amadurecem, adquirem conhecimentos e experiencia de vida que faz com que muitas vezes o comportamento seja alterado. Para mim tudo pode ser ultrapassado desde que o mais importante, ou seja, o sentimento, não desvaneça ... É lógico que o sentimento se altera, sofre transformações, a paixão não dura para sempre, mas há um sentimento, a que devo chamar amor, que permanece. Enquanto este sentimento for alimentado, e sentido pelo casal, nada pode correr mal. Tem é que haver diálogo para resolução dos problemas...

Fica bem
De Pedro de Sousa a 30 de Maio de 2007 às 18:12
Amor é uma palavra singularmente pequena, mas singularmente grande

Estou a escrever uns posts sobre isso...

Mas ha amor e ha sujeição... a fronteira é tenue

Beijinhos
Mikerinos
De Cris a 7 de Setembro de 2007 às 23:03
Sem dúvida é complicado viver em união e partilhar as chatices do dia-a-dia. Mas eu acredito que isso será parte do sal da relação. Amar é partilhar e entreajudar-se nos bomns e maus momentos. Por vezes é o egoísmo de um dos elementos que transtorna a esse ponto a relação, isto é, a incompreensão, a dificuldade em ouvir e entender o outro... Isto dava pano pra mangas, In My Way... ó se dava...
De My Way a 8 de Setembro de 2007 às 13:41
oh se dava...

existem certas caractaristicas que são muito nossas, muito proprias, quase impossiveis de alterar...

E quando essas caracteristicas são vistas como defeitos pelo parceiro/parceira, digamos que está aqui um problema... daqueles bicudos...

Não conseguir mudar/ não conseguir suportar...
é dificil esta vida ;)

De Cris a 7 de Setembro de 2007 às 23:09
Não creio que todos os divórcios sejam fáceis... são por vezes a opção mais dolorosa a tomar mas a mais sensata, a mais equilibrada , uma questão de sobrevivência pura e de salva,mento a nível mental. Por isso não acredito que se possa falar em facilitismo e bandalheira. Há quem case e descase assim, de facto. Mas casar implica verdade, troca e partilha , diálogo e bom senso, camaradagem...

Se antigamnente as mulheres não tomavam esta opção e muitas permitiam situações dúbias e bigamas dos seus parceiros, isso devia-se muitas vezes ao facto de dependerem dos maridos em tudo, em absoluto e na mentalidade e cultura católica. A vergonha do divórcio recaía sobre ela e sobre a família. Hoje, felizmente não é assim.
De My Way a 8 de Setembro de 2007 às 13:48
Concordo plenamente.

O divorcio normalmente é uma situação complicada, acarreta bastantes marcas emocionais, apesar de se saber que muitas pessoas fazem isto com a maior das facilidades...

Depende dos seus valores, do que significa uma familia para essas pessoas... cada ser é diferente...
Mas felizmente somos capazes de evoluir...

Fica bem.
De Anónimo a 10 de Maio de 2009 às 21:37
O blog deve ser muito interessante tem é um se não.
Não consigo ler nada.
De maria a 13 de Janeiro de 2010 às 00:13
Quem disse que o divorcio acontece mais porque está facilitado, não me parece que saiba efectivamente do que fala!... Quem sente a dor, esses?
Quem sofre com uma vida dedicada ao outro e que depois vê desfeita? Serão esses que falam de facilitismo?
Quem sente o coração amargurado por ter de deixar o homem que amou profundamente toda a vida, apesar do que sofreu e a quem perdoou durante anos a fio a prepotência , a dureza no trato, as humilhações, a falta de companheirismo... Quem fala assim, fala do que não sabe. Então, deverá estar calado e não ofender os sentimentos dos outros a quem apelida de "facilitistas ".
De Andre a 25 de Setembro de 2012 às 17:44
Boa tarde
A sociedade mudou e o modo de pensar também, hj um casamento sem o pensamento em comum, não caminha para o nada. Sou separado judicialmente e o motivo da minha separação que minha ex-esposa queria ficar em casa, como antigamente e eu não concordei, enfim ela como ficou sempre dependendo de mim, voltou a morar com sua familia e eu segui em frente. Foi bom mas estou melhor hj de quando era casado, tudo e toda a responsabilidade centralizava nas minhas costas, porem, sendo sozinho consegui muito mais coisas de quando era casado......
É provavel q não me case novamente, porque para mim a pessoa tem que crescer, estudar e ser independente.

Quero comentar este post!

.In My Way é um momento vosso, um sofrimento silencioso, uma alegria persistente, um sorriso eterno, um olhar fixante... É um pensamento discreto.

.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Pensamentos Recentes

. A Sua História de Vida

. Vou fechar o blog, mas nã...

. Justiça

. Euro 2008 e Portugal venc...

. Petróleo e a Especulação!

. Não meter combustível!

. Luta contra o Cancro

. Porque é que o preço dos ...

. Portugal com Senhora do M...

. Certeza

. A confiança

. Até sempre Pai

. Invoco Portugal!

. Amizade de Vinícius de Mo...

. Viver sem Ti!

.Obrigatório

.arquivos

. Maio 2010

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.Pesquisar neste blog

 
blogs SAPO

.subscrever feeds